segunda-feira, 18 de maio de 2009

Dualismo

José Chagas


Eu, que nunca termino o que começo,
vou, sem ter começado, ver meu fim,
e já me preparei para o regresso
de uma viagem que não fiz em mim.

Vivo um contraste humanamente expresso,
pois me fiz dois: um bom e outro ruim.
Sendo irmão de mim mesmo, a mim confesso
que, se nasci Abel, cresci Caim.

De antigas eras trago esse conflito,
e ora amaldiçoado, ora bendito,
não encontro equilíbrio em meu redor.

Mas, se não tendo início é que me acabo,
lanço tudo o que sou a Deus e ao Diabo,
e eles que façam como achar melhor.

Um comentário:

Cristina disse...

MESTRE DAS PALAVRAS SABE DIZER COMO NINGUEM O QUE VAI NA ALMA DE MUITOS SEM SABER......